Facebook
PR - Cascavel
Máxima
22
Mínima
11
PR - Toledo
Máxima
23
Mínima
12
PR - Santa Tereza do Oeste
Máxima
20
Mínima
8
PR - Céu Azul
Máxima
21
Mínima
10
PR - Lindoeste
Máxima
21
Mínima
9
PR - Catanduvas
Máxima
22
Mínima
10
PR - Ibema
Máxima
21
Mínima
10
PR - Corbélia
Máxima
23
Mínima
10
PR - Braganey
Máxima
21
Mínima
9
PR - Cafeléndia
Máxima
25
Mínima
12
PR - Ouro Verde do Oeste
Máxima
20
Mínima
9

Cuidados ao dirigir sob chuva

As chuvas são uma situação corriqueira no fim e início do ano em muitas regiões do país. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o risco de acidentes, com pista molhada, aumenta 30%. Resultado: se o motorista não dirige com mais prudência e não se preocupa com a manutenção do veículo, o perigo é maior.

Um dos primeiros cuidados é evitar a aquaplanagem – momento em que a água se coloca entre o asfalto e o pneu e faz com que o veículo perca o contato com o solo. É importante reduzir a velocidade antes de entrar na poça e não circular com pneus ‘carecas’. Mesmo assim, se o carro deslizar, é preciso desacelerar, segurar firme no volante em linha reta e não frear.

Independente de uma chuva fina ou pancada mais forte, o farol baixo deve ficar sempre aceso e as palhetas precisam estar em bom estado de conservação – a troca deve ser feita uma vez por ano. O motorista deve manter a distância de segurança do veículo à frente, nunca frear bruscamente e utilizar o pisca-alerta apenas se o carro estiver parado.

Ainda em relação aos pneus, é preciso mantê-los em bom estado de conservação para garantir a estabilidade e evitar que o veículo derrape facilmente. Uma boa dica é conferir, pelo retrovisor, os rastros do pneu deixados no asfalto molhado. Se ainda estiverem fortes, bem visíveis, não há com o que se preocupar. No entanto, se as marcas forem quase invisíveis, é necessário fazer a troca com urgência.

Paciência
Uma importante dica para saber se é possível continuar com a viagem é analisar a altura da água no trecho alagado. Até a metade da roda, é possível dirigir. Acima desse limite, o veículo fica sujeito a panes mecânicas. Mas pesar de todas estas recomendações, o ideal, se a chuva estiver muito forte, é ter paciência e estacionar o carro em um local seguro.

Entre os principais problemas da água no asfalto, está a diminuição do coeficiente de atrito entre os pneus e a pista. Os primeiros 10 minutos são ainda mais perigosos, pois a água se mistura com a sujeira da estrada, como resíduos carbônicos e de óleo, pó de borracha, poeira, entre outros, formando uma camada escorregadia. Segundo o engenheiro Mauri Panitz, perito em segurança no trânsito, o coeficiente de atrito em condições normais é de 0,6, cai para 0,4 quando a chuva já lavou a pista e fica em 0,2 quando a chuva ainda está nos primeiros minutos. Quanto menor o coeficiente, menor o atrito com o asfalto, facilitando derrapagens.

Perigos para caminhões

Para os caminhões, um dos principais riscos é o efeito L (também conhecido como jacknifing), quando o condutor perde o controle do trem de força e o semirreboque se projeta à frente. “Dependendo da velocidade, das ações do motorista, se ele fizer uma mudança brusca de direção, ou passar por um solavanco numa deformação da rodovia, ele perde aderência e quando vai tentar recuperar, não a encontra, pois a pista está ‘lubrificada’ com água e sujeira. Pior ainda se ele utilizar o freio, pois não haverá o trabalho mecânico de atrito em função da falta de aderência”, explica Panitz.

Outra situação comum e perigosa é a hidroplanagem, também conhecida como aquaplanagem. Ela acontece quando a camada de água sobre a pista é muito espessa fazendo os pneus perderem contato com o asfalto e deslizarem na água. Júlio Cesar Zingalli, instrutor de direção defensiva do Centronor, alerta para a importância de reduzir a velocidade nesses casos, manter boa distância dos demais veículos e dá uma dica: “ao olhar pelo retrovisor, se o motorista não enxergar o rastro de água saindo dos pneus, é preciso diminuir mais a velocidade, pois há grande risco de aquaplanagem”.

Confira outras dicas sugeridas por especialistas:

1. Diminua a velocidade, pois há perda de visibilidade, o coeficiente de atrito diminui e há perigo de derrapagens e hidroplanagem;
2. Mantenha distância de pelo menos 10 metros do veículo da frente;
3. Acenda o farol baixo durante o dia. Aumenta a visibilidade e alerta veículos de trás;
4. Ligue o desembaçador traseiro;
5. Evite freadas bruscas e não faça manobras perigosas;
6. Mantenha as borrachas dos limpadores de para-brisa em dia;
7. Pare em local seguro se a chuva estiver muito forte;
8. Não use as mãos para limpar vidros embaçados, pois eles ficarão engordurados. Utilize um pano apropriado, se possível com detergente neutro;
9. Ligue o ar-condicionado ou ventilador do caminhão e mantenha uma fresta da janela aberta para circular o ar. Se os vidros já estiverem embaçados, use ar quente;
10. Jamais faça ultrapassagens;
11. Procure rodar com a pressão adequada nos pneus;
12. Mantenha a velocidade constante, sem fortes acelerações ou freadas bruscas.

Com informações de Agência CNT de Notícias e Transporte e Logísitica Terra

Deixe uma resposta

Carreta Online

Telefone: (45) 3037-3229
E-mail: contato@carretaonline.com.br

De: Josenildo Ferreira
A velocidade que emociona é a mesma que mata.
De: Marcão
Coceira na mão de pobre é sarna, na mão de rico é dinheiro.
De: Izabel Tavares
Sua mulher sempre vai estar certa, mesmo que você pense que ela esteja errada!
De: Jivan dos Santos
Aqui jaz minha sogra, que viveu enchendo o meu saco. Não tendo mais o que encher, veio encher este buraco.
Para enviar sua frase, clique aqui!
2014 - Carreta Online Portal de Notícias Todos os direitos reservados